O cliente como foco principal do produto

Criar uma empresa requer estar preparado para uma jornada complexa e gratificante, onde o cliente tem que ser o foco do negócio. Durante este caminho, todas as experiências e conhecimentos que você acumulou durante a vida serão colocados à prova.

Neste texto, vamos entender como Patrick Sigrist, cofundador do iFood, usou suas habilidades para que a startup chegasse ao crescimento exponencial, tornando-se uma referência no mercado delivery.

O iFood foi fundado em 2011 e, de 2014 a 2017, o negócio cresceu mais de 8.000%. Hoje a empresa conta com 5,1 milhões de usuários ativos e 6,2 milhões de pedidos mensais e está presente no Brasil, México, Colômbia e na Argentina.

Para adicionar teoria à pratica, vamos apontar os principais conceitos do livro best-seller “Quem Pensa Enriquece”, de Napoleon Hill. Nascido nos Estados Unidos, o autor foi assessor de grandes nomes como Franklin Roosevelt, ex-presidente dos Estados Unidos, e é referência de estudos sobre autoconhecimento.

Hill entrevistou mais de 10 mil pessoas bem-sucedidas em negócios e milionárias, assim ele identificou padrões que são muito relevantes nos dias atuais.

Como a imaginação cria oportunidades

Inovar é fundamental para manter o negócio vivo. E inovação está diretamente ligada à imaginação. Juntando isso, chegamos à seguinte pergunta: como a imaginação pode ajudar você a inovar o negócio e criar oportunidades?

De acordo com a obra “Quem Pensa Enriquece” o homem cria qualquer coisa que ele puder imaginar. E essas ideias geradas por ele é o que transforma o desejo em realidade. A limitação do ser humano está na falta de uso e desenvolvimento da imaginação.

Sendo assim, Napoleon Hill apresenta duas maneiras diferentes que a imaginação funciona:

Imaginação criativa: é a faculdade responsável por pressentimentos e inspirações. É através dela que todas as novas ideias são transmitidas ao homem. Ela só funciona em um ritmo rápido quando, por exemplo, é estimulada pela emoção ou um forte desejo.

Imaginação sintética: essa faculdade não cria nada, trabalha apenas com o que é alimentada. É usada por inventores, não gênios, que forçam a imaginação criativa quando não podem resolver um problema pela sintética. Através dessa imaginação é possível transformar velhos conceitos, ideias ou planos em novas combinações.

Hill assinala que grandes líderes de negócios, indústrias, finanças e artistas alcançaram o sucesso porque desenvolveram a característica da imaginação criativa. Assim como outras partes do corpo, aquela que é mais usada é a mais desenvolvida.

Imaginação é o que Patrick Sigrist tem como um ponto forte. Criar coisas novas, transformar boas ideias em bons produtos sempre despertou seu desejo e é a sua verdadeira paixão.

Ele conta que seu princípio não é criar algo que não existe, mas sim produzir algo que fará a diferença para o cliente, que vai melhorar sua experiência como usuário. E foi com foco no cliente que Patrick fundou o iFood.

O cofundador explica que é importante entregar um produto ou serviço que funcione e seja útil para o cliente, porém é fundamental encontrar o equilíbrio entre funcionalidade e finalização. Segundo ele, é um desafio para o empreendedor saber balancear a entrega de resultado com o desenvolvimento do produto.

Domine o medo e seja autoconfiante

Sigrist alega que lançar o serviço no mercado é a forma que o empreendedor tem de saber o que está dando certo e o que não está, e aprimorar o negócio criando soluções de acordo com os feedbacks dos clientes.

Não basta ter um produto maravilhoso se não conseguir crescer com ele. É preciso arriscar e, mesmo que ele não esteja totalmente finalizado, em algum momento é preciso colocá-lo no mercado.

Para o cofundador, o empreendedor não pode ter medo de se prejudicar com o público por estar entregando o produto apenas com suas funcionalidades principais. O mercado é grande e, mesmo que uma parcela dele não aprove o produto, existem outras várias partes que estão dispostas a experimentá-lo.

Este é um processo que deve ser levado em consideração durante toda a existência do negócio: sempre aprimorar o serviço para agradar ao cliente. E é por isso que, em teoria, o empreendedor não deve esperar que ele esteja 100% pronto para lançá-lo. Errar faz parte do desafio.

Segundo o best-seller “Quem Pensa Enriquece”, o medo ou a fé é o que determina a ação do subconsciente, então, para torná-lo melhor, é preciso estimular as emoções positivas como forças dominantes da mente, eliminando os sentimentos negativos.

A melhor maneira de passar por esse processo e burlar os pensamentos negativos é se tornar autoconfiante. O ponto de partida é adquirir a capacidade de unir a fé com qualquer ordem dada ao subconsciente, pois este tomará como real essa ordem entregue com fé ou crença.

Sigrist afirma que o empreendedor deve ter autoestima elevada e não desistir, pois é passando por desafios que se descobre uma maneira de superá-los efetivamente.

Experiências personalizas e observações aliadas ao conhecimento especializado

O conhecimento de Patrick sobre como construir e ofertar um bom produto ou serviço vem da vasta experiência do empreendedor que, antes do iFood, dedicou-se por mais de 10 anos a outra empresa no segmento de alimentação e delivery, a Disk Cook, que fazia o trabalho full service para grandes restaurantes, cuidando de todo o processo, desde o call center ao gerenciamento e entrega do pedido ao cliente.

Essa vivência e experiência no mercado de delivery e alimentação o ajudou a entender e conhecer os pensamentos e as principais dores tanto do lado do cliente quanto dos restaurantes, e, assim, conseguiu priorizar o desenvolvimento de um excelente produto.

Com o foco total na entrega de valor aos clientes, segundo ele, a satisfação como empreendedor é constatar a relevância de um produto, sua alta aceitação e que, de fato, transforme a vida das pessoas.

A experiência que Patrick teve com a Disk Cook o ajudou a aplicar o conhecimento especializado para traçar a métrica mestra, que era a quantidade de pedidos recebidos na plataforma, com a finalidade de traçar o crescimento do negócio. Comportamento observado por Napoleon Hill em mais de 10 mil pessoas de sucesso.

Para o autor, conhecimento só se torna um diferencial se for organizado em planos de ação inteligentemente definidos e dirigidos a um objetivo. Conhecimento não é de fato um poder se o empreendedor não souber usá-lo de forma eficaz.

Ao ser adquirido, o conhecimento precisa ser organizado e aplicado para um objetivo definido, pois ele só tem valor pelo o que se aproveita de sua aplicação.

O cofundador do iFood deixa claro que suas experiências não são uma verdade absoluta, mas são as tentativas que ele arriscou e que acabaram dando certo. Cada empreendedor é diferente, tem seu próprio jeito de fazer e de criar.

Descubra mais sobre como usar suas experiências ao seu favor e superar os desafios do mercado. Clique abaixo e assista à aula gratuitamente:



Comentários

Send this to friend